O buraco é fundo e acabou o mundo

O buraco é fundo e acabou o mundo

Por Edgard de Oliveira Barros 07/10/2016 - 14:07 hs

Desde criança eu ouço dizer que o Brasil está à beira do abismo. E só não cai porque o abismo é menor que ele. Cair por cair, dia destes caí na besteira de ler entrevista que o deputado Darcisio Perondi concedeu ao jornal O Estado de São Paulo e fiquei com preocupações mais sérias ainda. Ao que parece, e ele demonstrou isso, o abismo está realmente à nossa espera. O Brasil está como aquela família que ganha um X por mês e vem gastando três, quatro, cinco ou mais Xizes % (o Xizes é invenção minha...) Xizes por cento, repito, por mês. E faz tempo, pois vem do tempo em que o glorioso barbudo, aquele, se assenhoreou do poder. Para piorar, depois veio aquela outra e o nabo aumentou. Estamos devendo mais que Deus me livre. Se fosse a tal da família gastadeira já citada, diria que ela deve 170 bilhões de reais no, digamos, cheque especial.

 

...tem cheque aí na mão?...”

 

Fora todas as besteiras já cometidas, o Perondi, deputado já citado, diz que para se manter e manter toda essa mamata ou confusão na área, o governo toma dinheiro emprestado pagando juros de 14% e depois disponibiliza esse mesmo dinheiro cobrando 6% de juros. Em outras palavras, além de toda a gastança safada e demagógica, também estamos jogando mais 8% de dinheiro fora. Falando de forma mais cruel, o governo está tocando fogo, rasgando 8% de todas as nossas notas de cem reais.

Você já deve ter visto o deputado Perondi na televisão. Ele é o relator da tal de PEC do Teto, que outra coisa não é se não uma tentativa de colocar um freio na gastança nacional. O governo vai se impor, por lei, a não gastar mais do que arrecada. E olhem que esse tal de governo arrecada bilhões e põe bilhões nisso, chegando ao trilhão e mais alguns bilhões por mês. Gasta tudo e mais um pouco. Constrói alguma coisa? Nada, gasta dando bolsa, pagando os isso e aquilo a quilos, gasta feito madame em loja de grife. Gasta em mordomias, joga fora em almoços, jantares, coisinhas e coisões, reuniões estúpidas que não levam a nada.

 

...gasta feito madame...”

 

Pra fazer média, o governo “populista” que nos deixou foi além e gastou não só o dinheiro do cofre, como torrou o cofre. Vem sendo uma lambança formidável ou inenarrável. Fora a grana já mandada pras Cubas, pras Áfricas, pros cumpanheros bolivianos, venezuelanos e latinos por aí a fora e tal e coisa... É muita grana que se gasta a toa. Dia destes eu escrevi sobre a farra dos jantares, dos almoços, dos cafés da manhã que são promovidos pelos governos em todos os seus níveis, deputados, senadores, vereadores, empresas públicas, empresas de capital misto, que são particulares e do governo. Claro que tudo isso supostamente pertence ao povo, já que se tratam de bens públicos. O povo que é bom nem passa perto dessas fantasias todas.

 

...vejam a farra às nossas custas...”

 

Para se ter ideia da gastança, o Brasil tem 26 Estados e um Distrito Federal. Cada Estado tem seu governador e seu vice. Cada Estado tem seus deputados. Somando, dividindo, multiplicando, são 5.570 municípios, 17 deles com mais de um milhão de habitantes. Para encher bem o saco existem pelo menos uns 10 municípios cuja população não atinge 2 mil almas (as almas do outro mundo não estão incluídas...). Cada Estado tem seu governador e seu vice, cada município tem seu prefeito e seu vice. Cada Estado tem sua Assembleia Legislativa, da mesma forma que o país tem o seu Congresso Nacional, composto pela Câmara dos Deputados e o Senado Federal.

Pesquise a e vá somando. Existem 81 senadores e 513 deputados federais. Nem sei quantos deputados estaduais nesse mundão imenso chamado Brasil. Milhares. É só consultar o Google e ver assembleia por assembleia de cada Estado. Só o Estado de São Paulo tem 94 deputados. Tudo depende do número de habitantes ou coisa assim. Tá somando ou já ficou maluco? Calma que tem mais. Cada um dos 5.570 municípios tem um número X (e voltam os Xizes...) de vereadores, de acordo com o número de habitantes que o município possui. O município de Borá, Estado de São Paulo, tem 806 munícipes e mais de mil eleitores, pode isso? Claro que pode. No Brasil pode tudo. Borá, com todo “esse mundo de habitantes” tem 9 vereadores. Sugiro que o leitor consulte, de novo, o velho Google de guerra, numa lição de civismo...

 

...não é cada um por nós, é cada um por si...”

 

Claro que cada governador de cada Estado e até do Distrito Federal, ganha um X (e tome Xizes...). Os vices também ganham Xizes. Os deputados federais, os senadores da República, todos eles ganham Xizes. Os deputados estaduais também ganham lá os seus Xizes. Os senhores prefeitos ganham Xizes. Os senhores vice-prefeitos ganham Xizes. Os senhores vereadores de cada um dos municípios já citados, os atuais 5.570, também ganham seus Xizes. Cada senhor senador e cada senhor deputado federal, bem como os senhores deputados estaduais, ainda bem como os senhores vereadores, têm direito a um número X (de novo os Xizes...) de auxiliares que ganham Xizes.

Fora isso tem os ditos funcionários públicos em todos os níveis. É coisa pra bem mais de milhão. Para não falar no sistema Judiciário, dos tribunais todos, federais, estaduais, municipais e no Ministério Público. As repartições públicas que são federais, estaduais, municipais. Fora o esquema policial, tão necessário, como policia civil e militar em todos os escalões municipais, estaduais e federais.

Esqueci alguma coisa? Nem sei. Somos mesmo uma grande família, enorme, imensa e gastadeira família.

 

...estamos no fim...”

 

Claro que todos têm sua função, claro que a maior parte é útil, mas, claro também que o lombo do povo já não aguenta mais. Nem eu aguento, por isso vou parar por aqui, sem falar que, neste exato momento tem gente doente, morrendo nas filas dos hospitais sem leito e sem teto enquanto a gastança continua. Fora a corrupção, que, está provado e desaprovado, leva mais do que o dinheiro que tanta gente honesta ganha trabalhando para o governo. Preciso falar ou petê saudações?

 

Paro pedindo a Deus que alguém coloque mesmo um enorme freio nessa gastança toda antes que o povo morra de fome de tanto pagar imposto. Tem saída um país como esse ou o buraco é fundo e já acabou o mundo?