Quem quer um picareta pra chamar de seu levante a mão...

Quem quer um picareta pra chamar de seu levante a mão...

Por Edgard de Oliveira Barros 19/08/2017 - 15:42 hs

Alguém contratou uma senhora que é engenheira industrial, ou mecânica, alguma coisa assim, como faxineira. Faxineira mesmo, com várias funções caseiras, inclusive lavar banheiros e sanitários. E não é que a engenheira industrial está se saindo muito bem no trabalho? Não se pode dizer que esteja feliz da vida, claro, mas já se sente mais segura. Acha que o grande tormento já passou. E até já pensa em melhorar de vida. Daqui a alguns dias, uns meses, quem sabe, talvez até ela consiga um emprego melhor. Com o tempo - por que não? - poderá dar a volta por cima e voltar a ser engenheira industrial.

Mas não é só ela não, tem também um rapaz, muito simpático, bem-falante, comunicativo, que deixou de ser advogado famoso para se transformar em um vendedor de bananas. Isso mesmo, bananas. Ele vai ao mercado, compra um monte de bananas e sai pelas ruas da pequena cidade onde está vivendo, oferecendo e vendendo bananas. Nas horas de folga ainda consegue levar e buscar os filhos na escola. Sua mulher, que já foi professora, ajuda o orçamento como diarista, o que permite a sobrevivência da família.

Tá cheio de gente assim lá em Pacaraima. Médicos, dentistas, professores, economistas, gente séria. Pacaraima é cidade lá do Estado de Roraima e faz divisa com a Venezuela. Já recebeu milhares de venezuelanos. E gente boa, gente do trabalho, gente séria. A TV não se cansa de mostrar tudo isso, você já viu?

 

“...o maior trabalhador do Brasil nunca pegou no batente...”

 

Pois é, Venezuela é a terra do Chaves. Ou era do Chaves, e era dele literalmente. Todo sujeito que chega ao poder pensa assim, feito criança: “Tudo meu!”. O Chaves, que se dizia guerreiro, nunca entrou em guerra nenhuma, o que também não é novidade. Aquele que se proclama o maior trabalhador do Brasil nunca pegou no batente...

O Chaves dava banana pra todo mundo e ficou amigo dos Castros, aqueles lá de Cuba. Lembra daquele falastrão que um dia o rei Juan Carlos da Espanha disse, no ar, pra todo o mundo, literalmente todo o mundo, ver e ouvir: “Por qué no te callas?”. Era o Chaves...

O Chaves virou amigo do Lula, aquele... Amigo do peito. Tanto que o Lula começou a construir uma refinaria lá em Pernambuco e colocou o Chaves, ou a Venezuela, que seja, como partner, sócia. Grande Chaves. Tapeou o Lula, o esperto bestalhão. Na hora do vamos ver, não pingou nada, nem um tostão do Chaves e o Lula teve que tocar a refinaria sozinho. Sozinho? O Lula? Tocar refinaria? Não, o Lula não toca nada. O Lula é só essa fantasia mal-acabada que flutua, ainda, por aí, apesar de tudo, depois de dar todo esse prejuízo para o Brasil. E continua dando.

E tem trouxa que aplaude e vai atrás... A refinaria deve estar largada. Mas o povo não tem hospitais até hoje. O povo também é muito metido a esperto. O Lula é do povo e o povo é do Lula. São iguais.

 

“...isso foi o que o Lula e a Dilma deixaram...”

 

Foi o Lula quem trouxe a Dilma e toda essa pelegada pra mamar nas tetas do governo. O governo somos nós, os trouxas. Governo? Esse que está aí? Ou isso que o Lula e a Dilma deixaram? Mas, porém, contudo e entretanto, a canalhada foi afastada. Se bem que existam muitos deles ainda, infiltrados por aí. Para quem não lembra, houve uma época que andavam todos juntos, os Chaves, os Lulas, as Dilmas e os Maduros... Juntaram aquele tal de Evo. Pobre Eva, teve um Evo para estragar, o cocaleiro da Bolívia.

Essa patota, ou esses bandidos todos queriam e bem que tentaram levar a América do Sul inteira pro resto do beleléu em forma de esquerdismo fútil, útil só pra eles. O Chaves morreu, o cocaleiro boliviano se escondeu, o Lula foi praquele lugar (não, ainda não está preso, lamentavelmente...), a Dilma, Dilma? Trágica Dilma foi mandada embora. Mas ainda anda por aí gastando o dinheiro do povo. Ficou o tal Temer, que não tem nada a ver com o esquerdismo flutuante e tão nocivo, o negócio dele é outro. Uma temeridade.

Nisso tudo, quando o Chaves foi desta para aquela que dizem ser melhor, o Lula foi pras telas das teves daqui e de lá da Venezuela, dizendo que o Maduro era o cara. “Votem nele, eu confio no Maduro...”. Até hoje circula por aí um filmezinho dessa propaganda do Lula pedindo voto pro Maduro. O povo venezuelano, também muito tonto, votou no Maduro.

Maduro era o cara. Maduro sucessor do companheiro Chaves. Votem nele pra verem o que é bom... E não é que votaram? E não é que o Maduro, que era o motorista do Chaves virou presidente? E não é que o Maduro, que era indicado pelo Lula, pelo Chaves, pela Dilma, pelo PT e pelos sempre revolucionários da esquerda cega, intelectuais da mais pura cepa e tal, cheio de jornalistas no meio, resolveu, como bom esquerdizante, ficar eternamente no poder?

Pois esse sempre foi o desejo e o anseio desses pilantras todos. Não era isso que o cumpanhero Lula sempre quis, ficar no poder pra sempre? E a dona Dilma? E o Chaves? Exatamente como os revolucionários Castros lá de Cuba...

 

“...democracia é isso: “eu” no poder...”

 

Democracia é isso, mano, pelo menos na visão desses safados todos. “Democracia “é eu” no poder!” - imaginava o Lula com ou sem os seus dedos, seus esses e erres -“purtugueis nóis já sabe, u quinóisqué é diproma e essa democracia preu mandar em tudo!”.

Pois é, dia destes eu vi um filminho antigo daqueles onde o Lula pedia voto para o Maduro. Grande Maduro, proclamava o Lula. Dia destes a tal de Gleise Hoffman, aquela que é senadora e que vive meio que escondida da Federal (Federal, no caso, é a Polícia Federal...), deu o maior apoio ao Maduro, quando o Maduro fazia propaganda para se imortalizar no poder. Dia destes o tal de João Paulo Stédile, outro cumpincha da rapa toda, do tal Movimento dos não sei o quê por aí, também foi pra TV, falando em portuñol castiço num filminho, conclamando o povo venezuelano para “a grande revolução” de manter o Maduro no poder.

“Nóis na fita mano, contra as oligarquias, contra os ricos, contra os caras que oprimem o povo pobre de todo mundo”, dizia, naquele blá-blá-blá de sempre. E viva o Maduro! E o Lula voltou a apoiar o Maduro nesta semana, falando para argentinos verem e ouvirem... Defendendo o Maduro, o Lula ameaçou até o Trump. O Trump deve ter perguntado: “Lula who's?”.

Eu acho que se a Gleise estivesse mesmo bem-intencionada e com vontade participar, deveria ir ajudar aquela engenheira que fugiu com medo do Maduro da Venezuela, veio em busca de uma vida nova, sem perseguições a quem é honesto e trabalha. Se a Gleise ajudasse essa senhora a limpar os sanitários talvez estivesse bem à altura da função de senadora. Acho também que o Lula, a Dilma, os intelectuais de araque e da festiva deveriam ir lá para Pacaraima vender bananas para ajudar o advogado e tantos profissionais honestos que fugiram do Maduro para poder sobreviver.

 

“...e você, não se envergonha?...”

 

Eu acho que esses canalhas todos deveriam ir lá para as fronteiras brasileiras e recepcionar os venezuelanos, pobres coitados, oprimidos pela oligarquia chamada Maduro e seus capangas que eles tanto defendem. Acho que o Stedile também deveria pedir perdão por andar falando e iludindo com tanta bobagem e ir para lá socorrer as infelizes vítimas do Maduro.

Se querem saber, às vezes eu chego a ficar com vergonha de dizer que sou tão brasileiro quanto um Lula, uma Gleise, uma Dilma, um Stedile e tantos outros picaretas dessa ordem. Fico sim, com vergonha de ser brasileiro e saber que o meu país tem tanta gente safada e pilantra como o Maduro, o canalha que tanto defendem. E você, não se envergonha disso não?

 

 

(*) Não deixe de ver as entrevistas que eu venho publicando com pessoas de Atibaia no meu canal do Youtube - É só procurar: Youtube.Com Atibaia & Sua Gente Edgard Barros - Você vai gostar...