Sidebar Menu

Dólar Comercial: R$ 5,36 • Euro: R$ 6,36
Quinta, 04 Março 2021

2 maneiras de ensinar as crianças a serem gentis

Dra. Regiane Glashan*

A melhor coisa que você pode fazer para tornar o mundo um lugar melhor é criar uma cultura de bondade em sua própria casa. Considere estas maneiras de mostrar a seus filhos por que prevalece a Regra de Ouro.

Ajude-os a compreender o que significa bondade
Mesmo antes de seus filhos terem idade suficiente para agir com gentileza, você pode começar a falar sobre isso. A empatia está programada em nós desde o nascimento por meio do que é conhecido como sistema de neurônios-espelho, e intuitivamente sentimos o que os outros sentem. É por isso que seu filho de 2 anos pode começar a chorar ao ver outra criança cair no parquinho, e é uma oportunidade perfeita para articular essa experiência para ela: "Você fica triste porque se preocupa com sua amiga e ela se machucou".

Se empatia é compreensão, então, compaixão está agindo com base nessa compreensão. A capacidade das crianças de fazer isso se desenvolve um pouco mais tarde. Conforme o cérebro de uma criança se desenvolve, ela pode separar você do EU e é aí que a compaixão se forma. Os bebês estão muito focados no Eu e nos Meus, mas você pode gradualmente ajudar seu filho a pensar sobre Nós, usando uma linguagem inclusiva - "Por exemplo, você pode dizer: 'O que podemos fazer hoje vai ser divertido para todos nós?".

Quando as crianças têm 3, 4 e 5 anos, é uma boa hora para começar a discutir sobre gentileza. A Regra de Ouro é um ponto de partida para uma conversa perfeita. Tratamos as outras pessoas da maneira que gostaríamos de ser tratados. Assim, você pode explicar ao seu filho em idade pré-escolar: "Você não gostaria que alguém zombasse de você sobre suas picadas de mosquito, então você não deveria provocar seu primo". Assim que ela entender isso, você poderá passar para a Regra Platina, que consiste em tratar as pessoas da maneira que é melhor para elas, mesmo que seja diferente do que é melhor para nós.

Inspire sua imaginação
Pensando em "Qual seria a sensação?" é um dos hábitos mais poderosos que podemos incutir em nossos filhos. Você não pode ser uma pessoa compassiva a menos que tenha uma imaginação ativa - você tem que ser capaz de entrar no lugar de outra pessoa.

Brincar de "imaginar" é uma ótima maneira para as crianças praticarem empatia. Você pode dizer ao seu filho: "Sua boneca caiu e bateu com a cabeça! O que você acha que devemos fazer por ela?". Conforme seus filhos ficam mais velhos, você pode pedir-lhes que imaginem cenários mais complicados da vida real.

Você também pode oferecer todos os tipos de oportunidades semelhantes para reflexão: "Imagine ser um gatinho que ficou preso em uma árvore e não foi capaz descer". "Imagine como deve ser difícil entrar no ônibus em uma cadeira de rodas - e como você se sentiria grato se um engenheiro inteligente inventasse o elevador para tornar isso possível!".

Com o tempo, esse tipo de pensamento se torna automático, assim como a reação da criança a ele. Ao ver uma criança que esqueceu o almoço, ela sabe que ele está com fome e se oferece para dividir o dela.

Ler um livro juntos é outra maneira fácil de se conectar com seu filho e experimentar a vida de outra pessoa que pode ser muito diferente da sua. Quando lemos, imaginamos com nosso coração e alma e não apenas com nosso cérebro. Os personagens de um livro muitas vezes compartilham seus sentimentos de uma maneira ainda mais profunda do que se estivessem sentados bem na sua frente e falando sobre empatia".

https://www.parents.com/kids/development/social/teaching-kids-to-be-kind/

* Terapeuta Familiar - Casal - Individual, ênfase na relação mãe-bebê. Especialista-Mestre-Doutora-Pós-Doutora pela UNIFESP, Fellow Universidade Pittsburgh - USA. Site: www.terapeutadebebes.com.br

Veja mais notícias sobre Dra. Regiane Glashan.

Veja também:

 

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.atibaiahoje.com.br/

No Internet Connection