Quarta, 29 Jun 2022

Não se aprende a andar de bicicleta olhando, se aprende andando!

Cristiane Fernandes Esteves Saraguci*

Você já ouviu falar na pirâmide de aprendizagem de William Glasser?

Segundo a versão mais difundida da pirâmide todas as pessoas possuem um grau de motivação para aprender no seu cotidiano. E uma vez que sabemos que as emoções têm grande influência no aprendizado, atitudes repressoras, ou seja, negativas, não ajudariam a assimilar novos conteúdos, pelo contrário, teriam um efeito desastroso, além de poder causar até uma aversão ao aprendizado.

Para Glasser o ato de aprender é uma escolha pessoal, sendo assim é uma escolha interna, que estaria associada à satisfação de cinco necessidades básicas: sobrevivência, pertencimento ao grupo, liberdade, poder e diversão.

A partir disso, podemos concluir, que atividades mecânicas e decorativas não resultam em um aprendizado efetivo, pois não contribuem para atender essas necessidades básicas. Porém, atividades de leitura, observação e escuta contribuem para a assimilação de novos conteúdos.

Existem outros elementos fundamentais que também podem ser utilizados e que facilitam o aprendizado, sendo eles a discussão sobre o assunto, praticar o tema e ensinar outras pessoas.

Segundo a pirâmide de Glasser, aprendemos:

10% - Lendo

20% - Ouvindo

30% - Quando observamos

50% - Quando vemos e ouvimos

70% - Quando discutimos com os outros

80% - Quando fazemos

95% - Quando ensinamos os outros

No topo da pirâmide teríamos os processos com menos eficácia na retenção de conteúdos e na base da pirâmide os com maior eficácia.

No artigo de hoje quero incentivar você a vencer seus medos e começar a praticar o que você vem aprendendo, caso contrário você apenas vai ficando "gordo" de informações e conteúdos que não servem efetivamente para nada na sua vida.

A prática exigirá de você raciocínio sobre o assunto e suas implicações, o que vai favorecer o aprofundamento na compreensão do conteúdo. Para ensinar os outros, esse aprofundamento, precisa ser ainda maior, exigindo que você domine o assunto ao ponto de conseguir explicar e tirar dúvidas de outras pessoas.

O uso de metodologias ativas para o aprendizado é muito mais eficaz do que a escolha de metodologias passivas. Alguns recursos também podem contribuir de forma positiva para o aprendizado, como a gamificação e a tecnologia.

Se você aprendeu a andar de bicicleta sabe exatamente do que estou falando neste artigo. Ficar sentado na calçada olhando outras pessoas andando de bicicleta não fez com que você subisse em uma e saísse pedalando. Para andar de bicicleta foi preciso passar por um processo, primeiro andando com duas rodinhas de apoio, depois com apenas uma rodinha, na sequência nossos pais nos incentivaram segurando na parte de trás para ajudar no equilíbrio e sentirmos segurança, até que de repente estávamos andando sem apoio. Esse processo para aprender a andar de bicicleta ilustra muito bem como funciona o aprendizado.

Sendo assim, perca o medo, respeite o processo e coloque tudo que aprendeu em prática, os resultados serão incríveis!

* A autora é Neuropsicopedagoga e Psicopedagoga Clínica e Institucional, Pedagoga especialista em Administração Escolar, Coach Pessoal, Profissional e Líder Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching e Analista Comportamental Disc pela Gestor Performance. Possui experiência de mais de 20 anos na área, atuando no âmbito escolar e clínico, como também no mundo business como Coach, palestrante e desenvolvendo pessoas. Contatos: E-mail: crissaraguci@hotmail.com; Instagram: @neuropsicocristianesaraguci; Facebook: @conexãodoaprender e Blog: https://conexaodoaprender.home.blog/

Veja mais notícias sobre Cristiane Saraguci.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 29 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.atibaiahoje.com.br/